Confusões


Em umas dessas madrugadas minhas, eu estava conversando com um amigo, conversa vai, conversa vem, ele me fez algumas perguntas, entre elas havia está"o Amor existe"?


Minha resposta foi quase que automática "acredito que sim" aquele amor que damos sem esperar nada em troca, amor de mãe, irmão, amigos, família... Só que a dúvida esta no amor que envolve a relação carnal, o tal de corpo a corpo, e ai será que que esse tipo de amor existe? Amor se constrói ou surge do nada?

Então as perguntas não pararam de surgir... Enfim, não chegamos a conclusão alguma sobre nada, apenas concordamos e gostaríamos que houvesse uma suruba de todos esses sentimentos, vontades e desejos, e porque não de defeitos? Já que nenhum de nós é perfeito.






Borrões



Peguei minha xícara com café...sentei a mesa e apreciei. 
Sem querer, uma gotícula resolveu ir a toalha da mesa. Enquanto ela se espalhava, busquei lembrar de outros vários borrões que já presenciei...
Naquele momento me passou a cabeça borras de batom. Das quais um dia já marcaram sua camisa, o pescoço... até mesmo quando o batom estava marcado em minha boca.
Dai me lembrei da lembrança do nosso velho vinho. Que enquanto nós riamos, derramou na minha blusa manchada por nossas loucuras. 
Me passou a cabeça!os quadros que risquei, colori e as tintas que escoriam para o fim da tela, causando uma maior distorção das cores. 
Depois lembrei das lágrimas que já derramei e derramo quando é preciso. Das quais rolam do meu rosto e já marcaram folhas e lenços de papéis.  
A medida dos riscos, respingos, resolveram comprometer meu papel. Eu me deleitei nesse pensamento...
Porém escrevi...borrei.

Nossas vidas passadas

Nossa vibe logo de cara foi boa, parecia mais que nós já nos conhecíamos né?  É tão estranho falar isso, mas ao mesmo tempo prazeroso. Fico imaginando aqui como que nós nos comportamos em outras vidas. Será que morávamos longe um do outro? Será que nos comunicamos através de cartas, já que não morávamos perto e mesmo se morassemos não pudéssemos nos ver com tanta frequência?  Será que ficávamos horas pendurados no telefone conversando qualquer coisa como fazemos agora(só que nesse caso usamos o wpp)? Será que a gente não via a hora de nos vermos para matar essa saudade que arde no peito?  Tantas dúvidas me invadem sobre nossa vida passada que se confunde com nosso presente. Não quero me imaginar longe de você nem um segundo sequer quando a gente não conversa é como se algo dentro de mim estivesse me rasgando e esses dias foram cruciais pra mim, eu tinha vontade de falar, mas não queria atrapalhar, mas ai você chegou de novo e me costurou. A gente se entende tão bem. Eu te amo, e não me canso de repetir... Te amo, te amo, te amo. Meu melhor amigo. ❤❤

Avançar

Ultimamente não sei o que fazer da dessa minha vida,muitos planos, e milhões de dúvidas,qual caminho seguir,confesso que ela anda meio monótona,porém toda essa monotonia me deixa segura... Pra falar a verdade acho que o me preocupa não é o hoje, o agora, e sim o “FUTURO’, esse sim me faz ter um turbilhões de sentimentos, planos... entretanto não sei nem por onde começar, nunca pensei que crescer me traria tantos problemas, dúvidas e indecisões. Enfim a única conclusão que posso chegar é... só quero saber se existe algum botão onde eu posso clicar onde tudo isso se resolva, um botão chamado AVANÇAR SEM TER MEDO DE ERRAR.

Uma linda história de amor




Era uma vez, uma menina que nunca se apaixonou. Ela só queria pintar quadros. Seu nome era Rafaela.
Um dia, um amigo lhe fez um desafio. Ele há fez uma proposta de pintar o amor, já que ela nunca tinha amado. 
Até uma criança sabe pintar isso! Ela ficou com aquilo na cabeça. 
Será que seus quadros seriam iguais se ela estivesse apaixonada?
Respondendo ela ao garoto, pronunciou: Pois pintarei o amor, mesmo sem conhecê-lo.
O garoto começou a dar gargalhadas, e se foi. 
E nos dias seguintes se dedicou ao quadro mais desafiador da sua vida. Mas, na parte mais importante, acabou uma das cores. Justo o vermelho, a cor do ''amor". Pensou ela: Não posso inverte as cores colocando um preto ou cinza? Será que todos não reconheceriam minha inspiração só em visualizar minha inspiração em pintar algo romântico?
Então, ela saiu em busca do amor... ops,do vermelho. Mas encontrou a loja fechada. Só que o dono da loja estava por perto.
- Puxa, acabei de fechar! Era importante?
- Não... volto amanhã. Era só tinha vermelha.
- Deve ser um quadro importante. Olha o que tenho no bolso! Pode ficar com ela.
- Não sei nem como agradecer...
- Hum... aceitaria uma daquelas trufas que sua mãe faz...
Rafaela mal podia acreditar em tamanha sorte.Voltou correndo pra terminar o quadro! Mas, sua alegria era tanta, que não viu um carro que vinha pela rua,e foi atropelada.
Foi levada ao hospital. O médico residente, quando viu o sangramento, chamou a toda equipe médica. Algumas horas depois, ela acordava, ainda confusa,com seus pais ao seu lado.
- Eu estou viva?! Lembro do carro... da ambulância... e de apavorar o médico da emergência.
- Você está ótima, filha! Só precisa ficar em observação.
- O sagramento que você tinha quando chegou era a tinta vermelha que você havia comprado.
- O médico residente virou a piada do hospital.
Poucos dias depois, ela já estava de volta à pintura. Ou quase.
- Mãeeeee! vou até a loja comprar tinta!
- Acabou de ser atropelada!
- Esses jovens não sossegam! Pode ter um desmaio...
Como, mesmo depois de falar por alguns minutos, sua mãe não a convenceu a ficar em casa, resolveu acompanhá-la...
- Espere um pouco, mamãe! Vou buscar uma trufa para o senhor André,o dono da loja. Mas sua mãe lhe disse que não iriam mais, pois Rafaela tinha uma visita. 
- Visita? Mas eu já falei com todos os meus amigos...
No portão, um rapaz a esperava. Parecia nervoso. Ela foi simpática e saiu para ver o que ele queria.
- Oi...é... eu como vai? Eu...queria...é...
Ele mal conseguia falar, de tão nervoso. Pediu desculpas e foi embora. 
Ela entrou pensando: ''Que cara mais estranho. Cada idiota que aparece...'' Mas, antes de chegar à porta, ouviu um grito:

- Te trouxe tinta vermelha!
- O que você disse?!
- Bem...te trouxe tinha vermelha.
- Quem é você?!
- Meu nome é Paulo, sou médico-residente e atendi você no hospital.
Depois desse dia eles se encontraram cada vez mais, a cada encontro ganhava cor ao quadro de seu grande desafio.
Paulo a cada encontro dizia coisas incríveis a Rafaela, ele cansava de fazer poesia pra ela entender, que ela era sua, e seu destino era seguir ela.
Então eles se casaram. Foram felizes...
Até eu nascer e acabar com tudo!

Autoria de: Fábio Cavalcanti
OBS: Modifiquei e acrescentei algumas coisas ao texto do Fábio.
Editado por mim: Aline Cruz.

São só ondas...




    Certo dia, um garoto todo entusiasmado com cada detalhe da visão do mar, começou a desengasgar todas suas preocupações para as ondas que ali se agitavam cada vez mais. Um moço conhecido por Morgan. Que ali perto morava, homem muito observador, ficou curioso em saber o que se passava com o garoto. Resolveu então parar para tentar escutar o que o pobrezinho dizia.
   - Mar! Tu que se altera com cada nova onda, me responde. Como tu podes se perder com tanta fúria, a cada onda perdida que desabam uma após a outra? 
   -Queria eu, poder ser forte e carregar comigo tudo que já me passou. Poder a cada embalo de uma nova onda na minha vida, me reconstruir e lançar uma visão de tamanha audácia sobre cada lugar afetado a mim. Ah... Como queria.
    Morgan, depois de ouvir o que o menino tinha dito, fitou lhe os olhos e disse: Não se perturbes com o tamanho das ondas com as quais você passou. Mas sim, com o tamanho de tudo que já conseguiste até então aguentar. Veja que a cada nova onda é para constatar que nada muda, ou para. Não importa o que aconteça, para cada coisa na vida, fica comprovado que tudo ocorre para encontramos nosso verdadeiro eu. Faz ficar vivo o que já não fazia nenhum milésimo sentido de viver.

Abram asas !

Ah, como era lindo ver meus pássaros se curando a cada dia que passava, era lindo ver os dois apaixonados, vivendo um para o outro...
Certo dia estava voltando pra casa e os encontrei na janela do quarto tentando voar. Os admirei de longe e Gui voou primeiro, john ficou com receio e decidiu ficar mais um pouco, então decidi me aproximar.
- John, por que você não o seguiu? - Ele apenas balançou as asas triste, e eu entendi o que ele quis dizer. Gui voltou minutos depois um pouco confuso e implorando que ele voasse. -Gui, voa você primeiro. Procura um lugar seguro pra vocês e quando encontrar volta e nos avisa, ok? Voa meu garoto.
Passamos muito dias esperando ele voltar, e quando finalmente voltou todo sorridente e fraco. Cuidei dele e quis saber o que houve, ele me contou que encontrou com seus pais e contou tudo, até sobre seu namoro de primeiro seus pais não aceitaram e o aprisionaram dentro de seu ninho, mas depois de muito lutar ele conseguiu fugir e conseguiu um lugar para os dois.
Chorei ao ter que deixa-los partir, mas fiquei feliz ao vê-los finalmente não se importarem com o que os outros passaros iriam falar sobre o namoro deles.
Eles seguiam um vôo diferente dos demais, seguiam o vôo deles, cheio de amor, de paz e de felicidades. Meus passaros finalmente abriram asas e voaram, voaram pra onde o amor os levavam.